21 December 2013

Resenha: Cidades de Papel

      Um fato que sempre marcou a vida de Quentim, foi ter encontrado junto com Margo quando ainda eram crianças, um homem morto a tiros perto de uma árvore em um parque enquanto brincavam.
      Desde então, Quentim nunca mais foi o mesmo, e mesmo já crescido, ainda é apaixonado Margo. Porém Margo mudou completamente. Ícone na escola, ela tem estilo próprio e é uma das pessoas mais influentes de todo o grupo escolar. Ela é a popular, e ele não.
      Há pouco tempo para se formarem no ensino médio, Margo aparece na janela de Quentim pedindo sua ajuda para realizar um plano grande e misterioso. E é claro que ele a ajuda, mesmo não estando nem um pouco a vontade com aquela situação.
      Os dois saem pela madrugada se aventurando nos planos de Margo, que incluía se vingar do namorado que a traiu com a sua melhor amiga, se vingar da melhor amiga, da sua outra melhor amiga que sabia de tudo e mesmo assim não contou, invadir um parque, etc etc etc... E ao terminarem quase para o amanhecer, os dois se despedem normalmente, porque em poucas horas se verão na escola...
     Só que isso não estava previsto por Margo, que desaparece sem dar nenhuma satisfação à ninguém, nem a seus próprios pais. 
     E mesmo após dias e dias, mesmo após até os pais de Margo apenas a acharem que ela tinha fugido e em breve voltaria - pois já havia feito isso antes -, Quentim ainda acha isso muito estranho. Segundo ele, Margo estaria com outra intenção ao invés de simplesmente "fugir".
      Sua busca só aumenta até que enfim Quentim tem uma pista concreta de que ela quer ser encontrada, e especialmente, por ele. A partir daí, ele encontra pistas e mais pistas até que envolve os amigos a uma viagem ao possível paradeiro de Margo.
      Sem pensar duas vezes, larga sua colação de grau e cai na estrada. Nada é mais importante para ele do que Margo, e ele quer saber a razão e porque ela está fazendo tal coisa... Isso se ela ainda estiver viva.



      Um livro super divertido. Só o John Green mesmo pra me fazer rir com uma comédia pra lá de romântica. Sinceramente acho que foi o único livro que realmente não me cansei ao menos por uma página. Por isso amo John Green com todo meu coração, sua escrita é envolvente, que mesmo sendo simples e juvenil, te prende por completo e não te solta até não ver um fim. 
      Gostei bastante da sensação de  poder lê-lo, e em vários momentos - cujos momentos eram pra lá das 00:00hrs - tive que tampar a boca com a mão para não rir tão alto e acabar acordando todos daqui de casa... 
      Me apaixonei por todos os personagens, cada um com seu jeitinho tão elaborado e tão bem escrito.
      Meu livro ficou todo marcado, mas o quote que mais gostei e que mais me fez apaixonar pelo livro foi:
"Você sabia que na maior parte de toda a história da humanidade, a expectativa média de vida foi inferior a trinta anos? Você podia contar com mais ou menos uns dez anos de vida adulta, certo? Não havia planos de aposentadoria. Não havia planos de carreira. Não havia planos. Não havia tempo para planejar. Não havia tempo para o futuro. Mas aí a expectativa de vida começou a aumentar, e as pessoas começaram a ter mais e mais futuro e passar mais tempo pensando dele. No futuro. E agora a vida se tornou o futuro. Todos os momentos da sua vida são vividos no futuro: você frequenta a escola para entrar na faculdade para arrumar um bom emprego para comprar uma casa legal e mandar os filhos para a faculdade para que eles consigam arrumar um bom emprego para comprar uma casa legal para mandar os filhos para a faculdade...”


Com absoluta convicção e com brilho nos olhos eu recomendo esse livro! Já não vejo a hora de poder ler outro livro do John.


5 comments:

  1. Depois que li A culpa é das estrelas, tive certeza que o John acabara de se tornar um dos meus autores preferidos, rs. Tô louca pra ler outros livros dele. Eu sabia, mais ou menos sobre o conteúdo desse livro, acho que li uma sinopse, ou um resumo em algum lugar e me interessei ~óbvio, é o John, rs~
    Eu não sabia que era comédia romântica, achei que seria algo hiper-super misterioso e tal...
    Adorei tua resenha; me fez ficar curiosa e com mais vontade de devorar mais um livro.
    E sei bem do que é ler livro meia noite e tampar a boca pra não acordar o povo de tanto rir HDUAHDSUAHUDHSA; aconteceu isso ontem comigo /mais uma vez/ enquanto eu lia Marley e eu.
    Kissus
    www.penseicliquei.blogspot.com

    ReplyDelete
  2. Oi Juliano! Adorei a resenha!
    Apesar de eu não gostar do autor, a história parece ser bem diferente...
    E aquele quote ali é demais mesmo. Uau!
    Abraço!
    http://leiturasdoedu.blogspot.com

    ReplyDelete
  3. Parece-me ser um bom livro!! Eu agora ando a ler um livro dos one direction,conta e relata a historia deles desde que entraram no factor x até agora. Para mim,este é um dos melhores livros de sempre,pois eu amo os one direction. Adoro as musicas,adoro o estilo deles,adoro tudo. Até breve!! Muitos beijinhos e fica com deus!!

    ReplyDelete
  4. tenho muita vontade de ler esse livro e tb Teorema. Dizem que é muito bom.

    ADOREI o novo layout, <3

    ReplyDelete
  5. Oi, Juliano! Tudo bem? Eu comprei "Cidades de Papel" no início de dezembro e estou bem empolgada para lê-lo, mas acho que o livro vai acabar ficando para 2014 viu... John Green é sempre sensacional e já vi resenhas falando que esse não é o melhor livro dele, mas tudo bem, vamos combinar que se a narrativa é boa e a história é envolvente, já ficamos satisfeitos! Ah, devo comentar também que essa é capa maravilhosa *-* Impossível não ficar encantada com ela! Adorei o post (: Bjs
    Jéssica - http://lereincrivel.blogspot.com.br/

    ReplyDelete